Entretenimento de um jeito diferente

Polícia Civil do estado de Goiás denúncia Gusttavo Lima por crime ambiental

A Polícia Civil de Goiás denunciou o cantor Gusttavo Lima, nesta quarta-feira (28), por crime ambiental. O sertanejo foi acusado por ampliar a represa de uma fazenda que mantém na cidade de Bela Vista, em Goiás, sem a devida licença.

De acordo com Luziano de Carvalho, delegado titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente, o crime se enquadra no artigo 60 da lei 9.605, que estabelece a necessidade de obras potencialmente danosas ao meio ambiente serem autorizadas pelos órgãos competentes. A pena para quem descumpre o item prevê detenção de até seis meses e o pagamento de uma multa. O pedido de indiciamento será encaminhado ainda nesta quarta à Justiça.

Em nota enviada ao portal ‘UOL‘, a assessoria de imprensa do artista afirmou que o representante legal de Gusttavo não havia sido informado da conclusão do inquérito e que as obras estavam paralisadas para aguardar a devida liberação da Secretaria do Meio Ambiente.

Confira a nota enviada pela assessoria:

O advogado de Gusttavo Lima não teve informação sobre conclusão do inquérito, mesmo porque não foi feita uma perícia técnica que pudesse comprovar as irregularidades mencionadas.

As obras realizadas na fazenda até o momento, foram feitas de acordo com a legalidade, a parte de limpeza e pasto tinham licença. Em 18/12/2017 após estudos técnicos feitos pela equipe contratada pelo cantor, foi protocolado pedido de licença junto a Secretária do Meio Ambiente de Goiás ( conforme comprovante anexo). Desde então, a parte da  obra referente a esta licença foi paralisada, aguardando liberação. 

O responsável pelo obra, mesmo sem ter sido chamado foi a delegacia prestar depoimento , nesta mesma data foram solicitados vários documentos, os mesmos já foram entregues. 

Em resumo, não há nenhum tipo de obra referente a ampliação da represa em curso, e só será feita mediante a liberação da licença dos órgãos competentes. Vale ressaltar que, não houve negativa da Secretária de Meio Ambiente, porque o pedido ainda esteja sendo avaliado.